Jogamos - Call of Cthulhu


✔ Mamilos Club - Recomenda - Call of Cthulhu

Insano, envolvente e aterrorizante, Call of Cthulhu é um game  lovecraftiano que consegue aproveitar de forma magnífica sua narrativa.

O ano é 1924, Edward Pierce está com problemas no trabalho, ele é um detetive que precisa se manter ativo para não perder sua licença. Eis que um caso intrigante surge e Edward não pensa duas vezes em aceitá-lo, trata-se de uma família vítima de um misterioso incêndio, de acordo com o pai de uma das vítimas, a pintora Sarah Hawkins, o ocorrido não foi um acidente, então o detetive parte em busca de respostas.


Durante todo o game, nos deparamos com escolhas, algumas opções de diálogos para ajudar na investigação e pistas espalhadas por todo o cenário, até então nada muito diferente de outros jogos do gênero, porém em Call of Cthulhu, contamos com uma árvore de habilidades, onde há vários caminhos de upgrade, cada um com sua importância e todos de grande ajuda para todo o gameplay.


Entre o que se pode fazer no jogo, é possível andar, correr, agachar, se esconder, espiar e interagir com objetos, o fator stealth é presente em diversos capítulos e funciona bem, assim como toda a jogabilidade.



Por se tratar de um título investigativo e claro, de uma aventura narrativa, é mais que esperado um sistema amplo de escolhas, caminhos diferentes para a história e também credibilidade para as pistas, esses são os primeiros pontos que podem trazer certa decepção aos jogadores. Em Call of Cthulhu, opções de diálogos e escolhas são bem restritas e as consequências dessas escolhas são praticamente nulas em muitas situações, além de que, na hora da investigação, pistas são dadas de forma brusca e nada natural. Tudo é muito bem montado e forçado para a história ser contada, cada evidência que podemos presenciar em um cenário para entender o que aconteceu, é totalmente explícita para que descobrimos facilmente o que ocorreu ali, tirando assim toda a dificuldade do game e entregando um gameplay  forçado e linear, depositando o desafio apenas em alguns puzzles, que por sinal são ótimos, apesar de raros.

O enredo é repleto de plot twists e mistérios, conseguindo prender o jogador do início ao fim, tendo muito suspense, horror e até mesmo alguns sustos. Os personagens são marcantes e bem construídos, algo admirável e essencial para um título do gênero.


O visual com base nos cenários, é bastante detalhado e bonito, mesmo com gráficos simples, já as animações e personagens, são totalmente ultrapassados, é comum encontrar personagens iguais, mudando apenas a roupa ou acessório, algo aceitável em um game com muitos NPCs, porém Call of Cthulhu não é um desses games, há poucos personagens e faltou uma atenção e capricho maior na composição visual de cada um.

Apesar dos gráficos serem simples, problemas de desempenho acontecem, como por exemplo os quadros por segundo do jogo que sofrem de grande variação, em uma mesma cena ou cenário, o FPS pode variar de 20 à 60 facilmente, causando certo desconforto. Exceto por sua otimização, há sim um grande polimento em termos visuais, glitchs ou problemas gráficos são praticamente nulos. Além do mais, as cutscenes possuem baixa qualidade.


Em efeitos sonoros, o jogo está de parabéns, assim como em vozes e também nas músicas que compõe cada situação. É nítido que houve uma grande preocupação e trabalho nessa parte, fizeram muito bem.

Call of Cthulhu não é perfeito, mas cumpre bem o que promete, dando uma ótima experiência para fãs de um bom enredo, sendo assim, uma ótima adaptação Lovecraft. O jogo dura cerca de 12 horas, possui 49 conquistas, levando aproximadamente 16 horas para 100%.




Pontos positivos:
  • Rico em história
  • Envolvente
  • Ambientação fantástica
  • Personagens bem construídos
  • Boa trilha sonora, efeitos e vozes
  • Conquistas legais
  • Legendado em PT-BR
  • Gráficos simples e bonitos

Pontos negativos:
  • Problemas de desempenho
  • Sem grande variação no visual dos personagens
  • Movimentação e expressão facial ruim
  • Cutscenes de baixa qualidade
  • Falta de naturalidade em alguns acontecimentos
  • Peca em cenas de ação

Análise escrita por Aca40eSete






Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.