Jogamos - Immortal: Unchained


✔ Mamilos Club - Recomenda - Immortal: Unchained

Seguindo a linha "souls-like", com muitos erros e acertos, Immortal: Unchained traz uma grande inovação para o gênero.

Quando se ouve falar em um game souls-like, automaticamente imaginamos espadas, machados, cajados, poções e escudos, em Immortal: Unchained é diferente, além das armas corpo a corpo, dessa vez o grande destaque fica para armas de fogo, sendo assim um souls-like shooter. A premissa do jogo gira em torno de um enredo onde lutamos contra um evento que ameaça acabar com todos os mundos, mas não se empolgue, isso é só um pano de fundo para justificar os acontecimentos, já que a história definitivamente não é um ponto forte aqui.


Todos os comandos e ações são parecidos com o que já vimos antes, exceto pular, que é um comando que não existe no jogo. É possível andar, correr, atacar,  atirar, subir escadas, se defender, rolar, desviar, usar itens consumíveis e também explosivos. No início a sensação é de que tudo é muito fácil, até que a primeira morte acontece e somos apresentadas à real dificuldade, e que dificuldade!



Mais do que nunca, é preciso pensar muito antes de avançar, já que a munição não é infinita e os locais em que podemos upar o personagem, as armas, trocar equipamento, fazer viagem rápida e recarregar as armas, são bem distantes um do outro, no geral é um game bastante difícil que muitas vezes anda delicadamente entre o desbalanceado e o desafiador. Há pontos em que percebemos certo desbalanceamento, como por exemplo em uma área cheia de inimigos armados com vida alta, ou seja, é praticamente impossível matá-los com a quantidade de munição que carregamos, e encaramos cenários assim logo na primeira área do jogo, isso acaba forçando o jogador a correr e tentar ignorar alguns inimigos ou enfrentá-los utilizando a arma corpo a corpo e a função de desviar, algo muito perigoso já que a jogabilidade é de um shooter em terceira-pessoa é claro, isso não se encaixou muito bem de modo geral, comandos como andar, correr e rolar são executados com muita rapidez e aceleração, enquanto o principal que seria atacar, atirar, e recarregar sofrem de extrema lentidão, dando assim vantagem para os inimigos, pois eles são rápidos em todos os aspectos.

Graficamente, Immortal: Unchained é ultrapassado, mal polido e a otimização deixa a desejar. É comum notar bugs de renderização, efeitos que aparecem e desaparecem o tempo todo, incluindo as sombras, além do mais, o game conta com alguns efeitos gráficos exagerados, como por exemplo o bloom, mas não se preocupe quanto a isso, é possível desativá-los. Apesar de possuir gráficos não tão bonitos, o design dos cenários, inimigos e armas são extremamente detalhados e únicos, algo bastante admirável.



A sonorização do game é boa, assim como sua trilha sonora, o único problema é que a trilha não é inédita, as músicas e efeitos de som são bastante clichês e comuns, algumas que até já fazem parte de outros jogos e outras que causam certa impressão de já ter ouvido antes.


Se você gosta de Dark Souls ou The Surge ou Nioh, irá gostar do game, certo? Errado! Apesar de ser bastante divertido, nem todos que curtem jogos do gênero irão gostar de Immortal: Unchained, ele é bastante diferente dos outros, mesmo com suas semelhanças, contudo, vale sim a pena dar uma conferida no título quando o mesmo se encontrar em uma boa promoção, pois seu preço cheio está muito alto para o conteúdo apresentado.

Pontos positivos:
  • Inovador
  • Animação muito bem feita
  • Design bastante detalhado
  • Desafiador
  • Arsenal bastante diversificado
  • Várias opções para customização do personagem
  • Conquistas interessantes para quem busca 100%

Pontos negativos:
  • Falta de polimento na parte gráfica
  • Inteligência artificial fraca
  • Enredo mediano
  • Jogabilidade muito rápida, acaba não se encaixando bem no jogo
  • Preço alto para o que o jogo apresenta
  • Em alguns pontos, a dificuldade é totalmente exagerada
  • Sem legendas PT-BR.


Análise escrita por Aca40eSete






Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.