Jogamos - Dungeon Warfare II

 Mamilos Club - Recomenda - Dungeon Warfare II

Dungeon Warfare II é um jogo indie de Estratégia e Tower Defense extremamente simples que segue a mesma fórmula de seu antecessor, trazendo um pacote ainda maior de diversão e ação de uma forma que todo fã do gênero vá amar. Ainda mais por ter sido desenvolvido pela Valsar, uma desenvolvedora ambiciosa em mostrar ao mundo como se faz um game do gênero de qualidade.

O jogo não segue a mesma receita de outros do mesmo gênero que vem sendo lançados ultimamente, não há heróis, não há skills ou opções de elementos, é realmente um Tower Defense “raiz” estilo Bloons Tower Defense. Você assume o papel de o mestre da dungeon que tem como objetivo proteger sua masmorra de inúmeros aventureiros gananciosos e para isso, conta com um arsenal consideravelmente grande de armadilhas para proteger suas riquezas.


Logo de cara, ao iniciar o jogo, me espantei com a trilha sonora surpreendente e admito que, depois de passar tantas horas jogando um game que não tinha música, faz muita diferença. Progredindo pelos níveis fui cada vez mais me apaixonando pelo o que o jogo tem a oferecer, principalmente, pela criatividade excepcional que os criadores tiveram com cada armadilha, mapa e inimigo e a freneticidade que o jogo proporcionou, que me prendeu por horas.

O mundo é muito bem feito, cada estágio tem uma forma diferente (estrategicamente falando) de ser jogado já que você possui um número restrito de quantas armadilhas podem ser levadas para a batalha, por exemplo, há mapas com muitos buracos e poços de água em que armadilhas de empurrar/puxar são mais eficientes, já em lugares mais fechados a combinação entre armadilhas que deixam os inimigos mais lentos com outras que dão dano em área são mais úteis. Além disso, alguns mapas possuem peculiaridades que lhe ajudam ou atrapalham, como touros que rondam certo caminho do mapa batendo em tudo na sua frente (até destruindo suas barricadas) e carrinhos de minas de ouro passando por trilhos e empurrando tudo que estiver no caminho.


Mesmo assim, o que eu mais achei espetacular é a criatividade quanto à diversidade dos inimigos, um deles tem uma arma de gancho que faz com que ele possa atravessar curtos espaços e até mesmo precipícios, cortando caminho por todas suas armadilhas lindamente colocadas, outros já não eram empurrados facilmente pra fora do mapa ou eram muito rápidos e em muita quantidade fazendo você perder totalmente o controle da situação facilmente.

O game tem uma dificuldade padrão (que já é bem impiedosa por si) que pode ser customizada do jeito que você bem entender com o uso de Runas, modificadores que fornecem recompensas maiores em troca de deixar o jogo mais difícil (aumentando vida de inimigos, sua velocidade, entre outros). Além disso, há um sistema de “fúria” que, com o passar rápido das ondas, acumula e deixa o jogo extremamente difícil.

Por isso, desafios é o que não faltam, especialmente quando se tem para cada mapa lhe dando recompensas extras por completa-los, isto é, faz com que você dê seu máximo para conseguir as famosas “três estrelas” em todo estágio. Aumentando muito a rejogabilidade do jogo.


Dungeon Warfare II possui mecânicas muito interessantes que dão mais vida ao jogo e não o deixam ficar monótono:
  • Experiência: Passando de nível após concluir fases faz com que você desbloqueie novas armadilhas e mais espaço no seu “deck” para carregar mais delas.
  • Pontos de Habilidade: O jogo dispõe de três tipos de árvores de habilidades para você escolher o modo preferido de como quer jogá-lo.
  • Maestrias: Após concluir cada fase você é renumerado com certa quantidade de “cristais” de maestria, que servem para serem distribuídos entre as mais variadas armadilhas da sua escolha para aprimora-las. O clássico “upgrade” dos jogos de Tower Defense, aprimorando dano, velocidade ou a sua especialidade.
Algo muito interessante e que também valoriza o aspecto de estratégia do game é que após finalizar cada fase você tem que escolher sua recompensa e não é fácil como parece. Da mesma forma que eu, você também vai pensar que a decisão por pontos de melhoramento é a melhor, porém, o aumento de 1% da sorte ou do ouro recebido é de extrema importância para estágios mais na frente, podendo facilitar muito sua vida.

A arte do jogo, mesmo sendo bem simples, é muito bonita e condizente com o tema clássico do jogo, de tal forma que, compõe um jogo que é uma experiência muito mais que recomendada para aqueles que amam Tower Defense.

Pontos favoráveis: 
  • Arte muito bem-feita e bonita;
  • Trilha Sonora; 
  • Variedade de armadilhas, mapas e inimigos;
  • Customização para o jeito que deseja jogar;
  • Criatividade;
  • Sistema de conquistas/desafios;
  • Suporte para mapas criados por jogadores e criação de seus próprios (Steam Workshop);
  • Desafiador;
  • Tradução para Português.
Pontos desfavoráveis: 
  • De vez em quando, a dificuldade, já que frusta qualquer um fazer o mesmo estágio mais de três vezes.
Sugestões:
  • Portabilidade para celular (Android e IOS);
  • Mais armadilhas, porque nunca é demais.



Olá! Meu nome é Bruno e sou responsável pela análise que você acabou de ler, dúvidas ou sugestões não deixe de comentar.

⃒ Steam ⃒ Twitch ⃒ Discord ⃒  ______________________________________

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.