Jogamos - Homefront: The Revolution


Após muios adiamentos e até mesmo a troca de estúdio, Homefront: The Revolution finalmente foi lançado, como era de se esperar, a troca não fez bem ao game.

Diferente de seu antecessor, Homefront: The Revolution é um título de mundo aberto, o objetivo continua o mesmo, lutar contra a força militar. A história se passa 4 anos após Homefront e dessa vez o cenário é a Filadélfia. O começo do game empolga e da uma falsa impressão de que tudo será épico, mas ao continuar jogando, vemos que infelizmente não é nada disso.


O enredo tinha tudo para dar certo, porém a falta de personagens carismáticos e a repetição de missões principais que mais parecem secundárias, afundaram completamente a chance de brilho do game. Simplesmente não há um personagem memorável, nem mesmo um grande vilão, tudo é na base de capturar e libertar, é só isso o jogo todo.

Em termos de conteúdo, Homefront: The Revolution cumpre bem seu papel, o arsenal disponível é bastante grande e diversificado, além de vários equipamentos e dispositivos que podemos usar, uma das coisas mais bacanas é que agora é possível modificar suas armas a qualquer momento, até mesmo durante o combate. O mapa é bastante vasto e com muitas áreas entráveis sem precisar de telas de carregamento. Infelizmente faltou polimento em todos os aspectos, é comum encontrar falhas no mapa, bugs nos NPC's, bugs gráficos, bugs de jogabilidade, bug é a palavra que melhor descreve o jogo.

Os gráficos não deixam a desejar em nenhum momento, a iluminação do game é muito realística, as texturas são bem feitas, apesar do downgrade sofrido desde sua primeira apresentação, o jogo continua sendo um dos mais bonitos disponíveis no mercado, porém, faltou polimento também na parte gráfica, já que bugs visuais também acontecem com frequência. O game está bastante otimizado, não exige muito do hardware para rodar na configuração máxima, apesar de haver relatos de queda de FPS em determinados momentos.

A jogabilidade é muito diferente de outros games do gênero, talvez a palavra ruim não seja a melhor para descrevê-la, mas diferente, no início, até mesmo matar um inimigo será uma tarefa um pouco complicada, assim como também controlar a moto que está sempre disponível para locomoção pelo mapa.

Logo após o anúncio de Homefront: The Revolution, o modo cooperativo foi apresentado como um grande destaque do game, realmente é um modo muito divertido, são missões semelhantes as do singleplayer, podendo contar com a ajuda de amigos para executá-las, tudo é muito difícil neste modo, mesmo na dificuldade mais fácil, o grande problema é que todos os bugs encontrados na campanha singleplayer são triplicados no modo cooperativo, um bug muito comum é o jogador afundar no chão, outro ponto negativo deste modo, é que não há muitos jogadores.


Apesar de todos os problemas, o game é bastante divertido, principalmente seu modo cooperativo como já foi citado, além do mais, o mesmo se encontra sempre em promoção e em "fim de semana grátis", então vale sim a pena dar uma conferida.

Pontos positivos:
  • Divertido
  • Ótimos gráficos
  • Boa otimização
  • Sonorização bacana
  • Bastante conteúdo
  • Localizado em PT-BR
  • Modo cooperativo
  • Boas conquistas

Pontos negativos:
  • Muitos bugs
  • História fraca
  • Personagens sem carisma
  • Missões repetitivas

Análise escrita por Aca40eSete



.


Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.