Jogamos - Figment


Com toda certeza, Figment (que em sua tradução ficaria algo parecido com imaginação/invenção, ao meu ver, se resulta em criatividade) se tornou um dos top 10 da minha lista de games. Eu realmente não esperava todo o conceito e contexto que o jogo traz ao jogador. 

Sem mais delongas, vamos à história: Enquanto uma batida de carro ocorre e nele o pai, a mãe e uma criança se acidentam, subitamente somos levados ao mundo de Figment, localizado dentro da mente da criança. Lá conhecemos Piper, um pássaro que ajudará em toda a jornada de Dusty, nosso anti-herói, bem ao estilo Dead Pool. Dusty era guarda da Cidade do Cérebro há tempos remotos, agora só se preocupa consigo mesmo e quando roubam seu livro de recortes e sua bebida é que ele resolve fazer algo a respeito. A jornada, então, se inicia! Viajamos de cidade em cidade, regiões do cérebro da criança: Platô do Planejamento, Encosta do Preenchimento, Cidade Mecânica e outras, todos os lugares fazem referencia a uma parte do cérebro e suas funções. Conforme avançamos, recolhemos memórias da vida desta criança.

Como tal, Figment é lúdico e abraça temas que não precisam ser explícitos, tanto que em nenhum momento existe uma abordagem direta. Estes são metáforas de nossa própria luta contra inadequação, depressão, apatia e claro, a memória para que em si, possamos existir em essência. O jogo não pretende assustar os jogadores com essas mensagens, ao contrário, encontraremos cenários cheios de cores (todos desenhados à mão) e beleza em estilo Salvador Dalí ou Maurice Sendak, surreais, porém nos remetem um contexto forte e único.

Quanto à jogabilidade, seremos introduzidos a um tutorial para aprender todos os comandos da nossa aventura. É algo simples que facilmente crianças e adultos poderão jogar sem maiores problemas. Sua mecânica não apresenta bugs e a cada tipo de monstro, temos uma diferenciação na forma de mata-lo, isto faz com que o jogo não se torne repetitivo e aumente a rejogabilidade. Os puzzles de Figment são medianos, nenhum difícil ao extremo e Piper, a ave companheira de Dusty, sempre vai começar a dar dicas se perceber que você está travado em algum ponto.


Os gráficos, como mencionei anteriormente, são desenhados à mão , fórmula bem encaixada com a sonoplastia original e bem trabalhada. Os diálogos de alguns personagens, tal como o Prefeito Relíquia, são ditos em rimas, ou os vilões quando apresentados a Dusty, cantam músicas de autoria própria. Além disso, a música de fundo de Figment é agradável e varia de acordo com as cidades que passamos. Os instrumentos que tocam no cenário acompanham o ritmo. É definitivamente um jogo completo e muito divertido.

Portanto, se você procura algo novo, com identidade e uma boa história, pode ter certeza que Figment é uma boa escolha. O jogo possui cerca de 7 horas de entretenimento, além de disponibilizar legendas em 16 idiomas incluindo o português e compatibilidade total com controle.


Taily Poerame : Apaixonada por zumbis!!! Escrevo reviews e realizo traduções de jogos dos mais variados estilos. Universitária do curso de História, amo conciliar o aprendizado da vida acadêmica aos jogos. E-mail para contato: taily.poerame@gmail.com

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.