Jogamos - Drizzlepath: Glass


Drizzlepath: Glass pertence a um gênero recente de jogos, denominado no Steam como “simulador de caminhadas”, é um estilo que mistura exploração, belas paisagens e por vezes é possível encontrar puzzles também. Jogos assim costumam focar seus esforços principalmente na beleza visual e efeitos sonoros, em geral as únicas opções dadas aos jogadores são as funções de caminhar e fazer uso botão esquerdo do mouse para as poucas interações que de fato importam.

O game é desenvolvido e distribuído por Tonguç Bodur, o mesmo desenvolvedor de The Hunting God (clique no nome para ler nossa review), Nephise Begins e outros, todos do mesmo gênero e mesma proposta. Seus jogos costumam ter avaliações mistas, salvo os dois exemplos que citei, estes estão positivos – e com méritos – porém neste título alguns pontos ficaram devendo e infelizmente o jogo encontra-se bem abaixo de seus dois últimos lançamentos na plataforma.


Não espere simplesmente calçar um tênis e sair explorando, existe uma história que têm início quando nossa personagem têm o desejo de visitar túmulo de seu falecido marido, nisso, um evento leva ao outro e você acaba conhecendo muitos lugares e se deparando com paisagens tirar o fôlego – apenas as que envolvem vegetações – mas nem tudo é exatamente como deveria ser, e justamente quando o game começa a nos apresentar novos cenários é que os problemas começam.

Nossa aventura começa em casa, posteriormente vamos conhecendo os cenários, é notório que o desenvolvedor peca na questão de dimensões, já que alguns animais são muito grandes, casas pequenas demais e outros detalhes que não escapam à nossa percepção, já que o motor gráfico é o Unreal 4 é claro que visualmente o jogo é um espetáculo.... Mas apenas há vegetação mesmo, arvores, gramas, flores.... Tudo muito bem feito e se o jogo focasse apenas em cenários que abusassem disso tudo seria perfeito, mas infelizmente quando precisamos atravessar uma caverna é que podemos ver a limitação no desenvolvimento, pois à falta de acabamento é bem visível.


Claro que quando pensamos em uma floresta ou uma vasta área com grama e flores é natural imaginar os animais que vamos encontrar.... Porém, faltou muito para o jogo reproduzir essa questão, animais de tamanhos desproporcionais e movimentações robóticas – exatamente como as que já vem “programadas” na engine – o que me faz pensar porque o desenvolvedor não fez uso de animais menores e mais fáceis de encontrar em ambientes como o que é visto in-game. 

Conforme você avança os capítulos enquanto explora, algumas lembranças surgem e poemas também podem ser encontrados - mas é preciso procurar bem - quando completar todos os enigmas e chegar ao fim do jogo, você então ganha à única conquista possível. Ah, os enigmas não são difíceis, pelo contrário, são bem “bobos” e não vejo motivos para eles existirem, algo mais elaborado seria muito melhor e interessante se bem aplicado. 


Não posso recomendar um jogo que acertou apenas um ponto e errou outros vários, o foco do game deveria ser apenas na vegetação, porém os puzzles nada desafiadores, outros cenários sem riqueza de detalhes e animais com mecânicas medíocres fazem o jogo perder sua essência, isso sem mencionar à trilha sonora que começa atmosférica e aos poucos vai enjoando. Drizzlepath: Glass mostrou-se bem abaixo esperado e que o salva o jogo de ser um desastre é justamente à beleza visual em torno da vegetação, pois rende ótimas capturas de tela.

Destaques:

+ Vegetação realmente bonita;

É preciso atenção:

- Movimentos robóticos dos animais;
- Você não consegue passar em pontos estreitos, mas que claramente é possível atravessar;
- Todos os detalhes além da vegetação precisam de atenção;
- Animais e elementos de cenário desproporcionais em relação ao tamanho da personagem;
- Puzzles fáceis e sem sentido;
- Trilha sonora enjoativa;
- História extremamente fraca;

Bugs encontrados:

- Nenhum.


Evan "Zniffer" Ramos: Fã dos mais variados gêneros de jogos, nintendista e gamer de carteirinha, escreve notícias e reviews em suas horas vagas. Apaixonado por Cavaleiros do Zodíaco e as mais diversas áreas da TI, focando seus esforços na segurança da informação e infraestrutura. E-mail para contato: ev4n.r4mos@gmail.com

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.